9 de jul de 2009

Maicounaíma

Resolvi fazer essa homenagem a Michael Jackson. É curioso o fato de que um de seus últimos trabalhos tenha sido feito no Brasil, com cenas no pelourinho, na favela da rocinha e percussão do Olodum. Imaginei que talvez ele já tivesse lido o livro Macunaíma, de Mário de Andrade, pois o personagem título, que no início do livro é negro, toma banho numa poça de água mágica e fica branco.

Criei assim este título, Maicounaíma, que combina a sonoridade do nome Michael (maicou) e o nome do herói brasileiro, Macunaíma. No cinema, o Macunaíma negro foi interpretado por Grande Otelo e o Macunaíma embranquecido, por Paulo José. No alto da charge, ao lado do título, coloquei o trecho do livro que narra a transformação.
Sobre um palco de teatro, vemos, da esquerda para a direita, Michael dançando em três fases diferentes. Enquanto dança, ele se trasforma e fica branco. Primeiro, seu visual na década de 70, ainda no Jackson Five, com aquela cabeleira Black Power e figurino em cores extravagantes. Depois, sua fase mais próxima de obras como Triller e Billy Jeans, na década de 80, já com o nariz e os lábios mais finos, o cabelo engomado, aquele figurino escuro com luvas brancas brilhantes e o passinho do moonwalk. E finalmente, nos últimos anos, já completamente branco, de cabelos lisos, em pose que lembra suas perfórmances nos clipes Black or White e They don’t care about us.

Despedindo-se do público, ele canta o samba enredo da Portela, de 1975, que usou Macunaíma como tema. Neste refrão, o herói se despede da terra, sobe aos céus como seus antepassados e vira constelação, segundo reza a mitologia indígena brasileira. Para reforçar a atmosfera carnavalesca e tropicalista, utilizei como fundo da charge uma recriação do cenário da peça O Rei da Vela (escrita por Oswald de Andrade e dirigida por José Celso Martinêz Corrêa na década de 60) feito por Hélio Eichbauer e utilizado por Caetano Veloso para ilustrar a capa de seu disco Estrangeiro, de 1989.

Por fim, acabei constatando, durante o trabalho, que o fato de Michael ter afinado o nariz, alisado o cabelo, clareado a pele e se exposto dessa forma, talvez tenha sido a maior e definitiva obra de body art do final século XX.

Um comentário:

  1. Gostei do texto, excelente reflexão. Tá ótimo o desenho, tô morrendo de rir. Parabéns.

    ResponderExcluir